Entrevista da revista Prana Yoga com o professor João Soares

Entrevista da revista Prana Yoga com o professor João Soares

YOGA PARA CRIANÇAS

Professor contador de histórias
Conheça o professor de Hatha Yoga João Soares que só se encontrou quando começou a ensinar para as crianças
24/06/2008

Por Thays Biasetti

O Yoga faz parte da vida de João Soares desde a juventude, quando conheceu a prática. O professor de Hatha Yoga só se encontrou no Yoga, em sua vida adulta, quando criou uma maneira de trazer novos alunos para a prática- as crianças. João é conhecido pelo trabalho que realiza com os pequenos, inserindo-os no Yoga por meio de histórias lúdicas.

eYoga- Como começou sua história com o Yoga?
João Soares- Quando tinha 17 anos, li o livro da Annie Besant, chamado “Introdução ao Yoga”. Aos 18, ganhei uma revista de Yoga, peguei o endereço de uma escola e fui praticar. Mesmo a prática tendo durado apenas seis meses, eu senti que o Yoga tinha algo especial para acrescentar na minha vida.

eYoga- O que mudou na sua vida depois do Yoga?
JS- Voltei a ter contato com o Yoga só aos 29 anos. Com essa idade, continuava tímido, inseguro, quase 20 quilos mais gordo e à beira de uma depressão. A terapia me ajudava muito, mas não era suficiente. Na época, eu estava fazendo faculdade de psicologia, parei e voltei a procurar o Yoga. Foi quando conheci a professora Carmen Perez (que depois virou minha grande amiga, sócia, madrinha de casamento e “avó” do meu filho). Com ela, comecei a praticar regularmente. Em cinco meses, emagreci os 20 quilos, e chorei mais do que chorei em toda minha infância. Em dois anos, percebi que havia superado e resolvido muito mais conflitos e questões internas do que consegui em seis anos de terapia. Quanto mais praticava, mais descobria que o Yoga tinha algo especial para mim. Então, foi assim que o Yoga entrou definitivamente na minha vida.

eYoga- Você faz um trabalho com crianças. Qual foi o motivo de ter se dedicado a trabalhar com os pequenos?
JS- Trabalhei no SOS criança. Era pesado, denso. Embora sempre tenha adorado esse contato com os pequenos, o trabalho chegou a um momento emocionalmente insuportável. Um dia, a professora Carmem Perez, que já sabia o que eu estava passando, me viu contando histórias e disse: “Você tem que dar aula para crianças!”. Adorei a idéia e comecei a fazer o curso de formação de professores. Começamos a pesquisar um jeito de ministrar as aulas para os pequenos. No começo, nosso trabalho chamava-se Yoga com Teatro e chegamos a ter uma turma de 30 crianças no espaço dela, na zona Norte. Isso foi há 14 anos, quando o yoga não era tão divulgado. Acho que o real motivo de trabalhar com os pequenos foi perceber que este era o meu dharma. Com o yoga para crianças eu não me violentava e percebia rapidamente o resultado do trabalho. Isso me motivou cada vez mais a pesquisar e a colocar nele tudo o que eu acreditava.

eYoga- Você acredita que esse trabalho com as crianças pode mudar o pensamento delas no futuro?
JS- Tenho certeza que isso é possível! Sabemos que os asanas atuam também no corpo emocional: ganhar força e ousadia em uma postura é a possibilidade de incorporar essa força e ousadia na personalidade, e isso já ajudará a criança ser mais segura e confiante sem que, para isso, tenha que ser estimulada o tempo todo ao excesso de disputa e competitividade. Além de desenvolver a concentração, o Yoga atua sobre o hemisfério direito do cérebro, abrindo a possibilidade do lado artístico e também um olhar mais holístico para as coisas. Isso tudo contribui para o crescimento de adultos mais equilibrados emocionalmente. Outra coisa muito importante é cuidar para que o Yoga não vise somente os asanas, ajudando as crianças a desenvolver vários tipos de inteligência e a incorporar em sua personalidade os valores do Yoga conhecidos como os yamas e nyamas. Recebendo esses estímulos, a criança poderá levá-los para sua vida, e isso com certeza repercutirá em uma nova sociedade. Felizmente pude presenciar alguns resultados desse poder transformador ao reencontrar crianças, já no papel de jovens adultos, anos mais tarde. Tive surpresas muito agradáveis!

eYoga- Como é lidar com crianças? Como você faz para que elas entendam os princípios do Yoga?
JS- É muito bom lidar com os pequenos, mas às vezes é difícil também. Você tem que estar preparado, deve preparar também a aula antes e não pode contar só com a qualidade do improviso. Às vezes, as aulas não acontecem como você queria ou pensava; às vezes, tudo é maravilhoso. Ou seja, estou sempre aprendendo!

Para que os pequenos entendam os princípios do Yoga, uso as histórias, que são formas mágicas de falar ao inconsciente das crianças, de brincar no reino do “era uma vez”, onde tudo é possível. Lá, a criança pode vivenciar seus medos, ousar ao usar a coragem escondida. Uma boa história trará sempre elementos fundamentais para o amadurecimento emocional da criança, como também princípios e valores para suas vidas. Existem histórias nas quais poderemos encontrar vários yamas e nyamas. Contextualizando esses ensinamentos a partir das histórias fica muito mais fácil para a compreensão das crianças, porque por meio desse recurso, tudo faz sentido. Nada é imposto.

eYoga- Qual o motivo que leva os pais a levarem as crianças para a aula de Yoga?
JS- Vários são os motivos: às vezes, porque o médico encaminhou, outras por obesidade, agitação, hiperatividade, insegurança etc. Muitos pais as levam porque são praticantes e gostariam que os seus filhos também se beneficiassem desse universo. Seja qual for o motivo, o Yoga para crianças sempre a ajudará, principalmente se o recurso usado pelo professor tem como premissa o lúdico.

eYoga- Seu trabalho com as crianças trabalha muito com histórias. Que tipo de histórias?
JS- Eu adoro usar os mitos e os contos de fadas, porque toda a simbologia que possuem é fantástica para explorar com os pequenos. Também utilizo histórias de autores atuais ou desenvolvo as minhas próprias (qualidade que o Yoga me ajudou a desenvolver).

eYoga- A partir do que você criou essa idéia das histórias?
JS- Como disse, no início, o trabalho era feito em parceria com minha amiga Carmen Perez e focava um pouco mais o Yoga e teatro. Nos últimos sete anos, venho dando continuidade ao estudo e às pesquisas. Assim, o Yoga com Histórias foi se consolidando como metodologia, como um instrumento que tem se mostrado seguro para o caminho das crianças dentro da profundidade do Yoga.

eYoga- Você já sofreu algum tipo de preconceito por causa do seu trabalho? Você já foi alvo de críticas por ensinar crianças? Como lidou com isso?
JS- Nunca ninguém me falou, mas às vezes me parecia que isso era considerado algo menor por parte de algumas pessoas. Já ouvi algumas coisas como “criança não deve fazer Yoga, que menino deve jogar futebol e não praticar Yoga, que Yoga é para adulto, etc”. Eu acredito que meninos que jogam futebol ou praticam qualquer outro esporte terão um desenvolvimento muito melhor se praticarem o Yoga. Hoje, já temos o exemplo de muitos surfistas e atletas praticantes. Lido com isso – e com toda e qualquer crítica – dando continuidade ao meu trabalho, com a crença que tenho na força do Yoga para todos. Todos mesmo.

eYoga- Como você define o seu trabalho no Yoga?
JS- Quanto mais dou curso mais conheço gente que trabalha ou quer trabalhar com os pequenos. Penso que todos que dedicam sua energia para isso, respeitando a tradição do Yoga e o universo infantil são pessoas importantes para uma transformação futura.

eYoga- Qual resultado você quer ver desse trabalho daqui a alguns anos?
JS- Tenho o grande desejo de ver o Yoga fazendo parte do currículo escolar. Gostaria de contribuir para isso de alguma maneira.

eYoga- O que você recomendaria para as pessoas que querem ensinar seus filhos sobre o Yoga? Qual idade ideal para começar?
JS- Existem vários livros interessantes que dão dicas fáceis para iniciar o Yoga com os pequenos, como “Yoga para você e para sua família”, “A Rata Yoga”. Também, os pais podem brincar com os pequenos de fazer os asanas, de preferência com posturas que tenham nomes de bichos, ou seres da natureza. Mas, se a idéia é aprofundar o Yoga, é interessante levar as crianças até um professor.Acho que a idade ideal é a partir dos cinco ou seis anos. No entanto, um trabalho bem direcionado pode atingir os menores.

eYoga- Existe algum ponto que você acredita precisar se aprofundar no Yoga?
JS- Todos: asanas, pranayamas, filosofia e meditação, etc. Tudo é uma continuidade.

eYoga- Você acredita que podemos melhorar o mundo por meio do Yoga? Como?
JS- O Yoga é uma ciência universal que quando você pratica passa a ser pessoal: você comprova em você mesmo. Sente, e ao sentir, entende que é verdade, que existe um Deus (ou uma Força Maior) dentro de você, que Ele é amor e compaixão. Faz com que você deseje ser melhor. Quanto mais estuda e pratica verdadeiramente, mais você quer que essa transformação – que está continuamente acontecendo com você – chegue até o teu próximo.

eYoga- E aumentar a quantidade de pessoas que realmente se dedicam a isso?
JS- No começo eu não desejava dar cursos sobre a metodologia que estava desenvolvendo, apenas praticá-la com os meus alunos. Quando conheci o trabalho do Sai Baba, “as fichas caíram” e daquele dia em diante tento ser o mais acessível possível. Por isso acho ótimo se o número de pessoas que queiram trabalhar com Yoga aumentar. Só espero que as pessoas exerçam sua responsabilidade na tradição, perpetuando o Yoga não apenas como um conjunto de asanas.

eYoga- Quem são as pessoas que você mais admira no Yoga?
JS- Há um lugar especial no coração para a professora Carmen Perez que me proporcionou o acesso a esse caminho para minha transformação e para o Yoga com as crianças. Também nutro um carinho muito especial pelo professor José Antonio Machado Fila pelo sabor do encantamento que minha prática vem adquirindo, cada vez mais. Além disso, admiro todos que se transformaram e se salvaram com o Yoga.

eYoga- Se você pudesse, qual seria a mudança que você provocaria no meio do Yoga? E no mundo?
JS- Daria um basta no encaixotamento do Yoga, particularmente acho que é muito chato e desrespeitoso achar que “o seu Yoga” é melhor que o do outro; que o seu é o certo e outro é errado. É muito triste ver alguns professores que não têm a menor idéia do que é o Tantrismo, ou que acham que Yoga é só asana. O que estamos fazendo com a Tradição? Gostaria que o Yoga para crianças tivesse mais espaço e deixasse de ser visto só como algo “bonitinho” mas como algo profundo e fundamental para nossa sociedade. No mundo, eu gostaria que as pessoas valorizassem mais cada momento, cada irmão e cada parte da natureza como uma manifestação da mesma força que habita dentro de nós. Essa é também a mensagem que o Yoga deixa para o mundo.

eYoga- Quais seus projetos para o futuro?
JS- Editar meu livro “Yoga com Histórias”, continuar divulgando o site e expandir esta metodologia para outros lugares do Brasil por meio de cursos.
Quero gramar o jardim para poder curtir o sol com a Rosa e o pequeno Yam.